sexta-feira, 10 de agosto de 2012

SEXO: O SEGREDO DA ATRAÇÃO PODE ESTAR NOS OLHOS:

Segundo sexo: o segredo da atração pode estar nos olhos!

 
As gays apresentam o alargamento das pupilas diante de fotos de outras mulheres, similar ao padrão registrado em …
Podem restar dúvidas quanto aos olhos serem a janela da alma, mas uma pesquisa recente revelou que, além de denunciarem que você fez um exame de vista, eles podem te expor ainda mais. Seja você gay, hetero ou até pansexual, a dilatação da pupila é um indicador preciso de orientação sexual, de acordo com especialistas.

Quando as pessoas observam imagens provocantes e ficam excitadas, suas pupilas se expandem numa reação inconsciente. Esse fenômeno pode ser usado para estudar a orientação e o desejo sem métodos invasivos.

A pesquisa publicada pelo jornal científico PLoS ONE é o maior experimento de larga escala a mostrar que a dilatação da pupila corresponde ao grau de excitação do indivíduo, de acordo com o pesquisador Ritch Savin-William da Universidade de Cornell. Segundo cientistas, elas se alargam em resposta a qualquer excitação ou estímulo interessante, incluindo a simples visão do rosto do ser amado ou de uma obra de arte. A dilatação é sinal de que o sistema nervoso autônomo - que controla as ações involuntárias, como a respiração e os batimentos cardíacos - está acelerado.

A ligação entre o tamanho da pupila e o arrebatamento sexual é antiga. Na Itália do século XVI, as mulheres costumavam pingar o extrato de uma erva chamada Belladona para evitar que as pupilas se contraíssem - mantendo, assim, sempre um olhar sedutor.

Nas mulheres, as coisas são mais complexas, segundo Savin-Williams. As gays apresentam maior dilatação diante de fotos de outras mulheres, similar ao padrão registrado em homens heterossexuais. No entanto, as heterossexuais mostraram uma resposta basicamente igual sobre imagens de ambos os sexos, embora sintam atração apenas por homens.

Isso não significa que todas elas sejam bissexuais, mas que o desejo subjetivo não necessariamente corresponde ao arrebatamento do corpo. Uma das teorias é que, devido ao risco iminente de estupro, revelado em séculos de história, o organismo femino tenha evoluído para proporcionar lubrificação a qualquer estímulo sexual. Desta forma, a fêmea teria menos chances de desenvolver uma infecção após o abuso e aumentaria a probabilidade de perpetuar seus genes.